Sinto-me viver vidas alheias, em mim, incompletamente, como se o meu ser participasse de todos os homens, incompletamente de cada [?], por uma suma de não-eus sintetizados num eu postiço.Sê plural como o universo! Fernando Pessoa.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Nao chore.. haverao tantas outras luas cheias daqui em diante, com estrelas ou nao. Serao, prometo, tao belas como esta. Estaremos lá, olhando pela janela, ou na grama  levemente umida do  jardim. Mas o caso é que não sei quantas luas passarão diante dos teus olhos até que a nossa lua chegue, para juntar-nos com todas as outras que virão.
 Até lá, prometa-me não fechar as cortinas nem os olhos diante do luar.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

 O contentar-se com o aconchego do lar, a cama macia e a boa comida.  Como se fosse ruim.
 Porque não consegue ser bom?
Querer o distante, o vazio, o só. A fuga lhe parece melhor. A beleza do distante sempre lhe encantou, tal como uma montanha que olha pela janela. Beleza, perfeição e grandeza.
  Quantas vezes haverá de suspirar pelo que não tem? Apequenar o lar, os amigos próximos, os recursos locais. Quantas vezes desejará a montanha?
 Quando haverá coragem de encara-la, se houver.
 Aconchego do lar,grades da sua prisão estranhamente macia.
 Porque machucar-se na montanha, porque querer tanto subi-la. Feche as cortinas!

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Fragmentos do coração dissipados pela tempestade da alma, agonia invade, tendo-o de todas as maneiras.  Fez-se nó imobilizando a alma e o resto do ser.
Pare de chover, que alma suporta tanto frio e tanta escuridão?
 Tantas gotas passaram por aqui, a alma foi lavada tantas vezes que já quase perde  o brilho.
 Coração e alma já enrugados oram pelo fim da tempestade.
Quanto se deve querer o sol para que ele venha?

sábado, 17 de dezembro de 2011

 Queria ser tempo. ´Para ser tudo começo e fim ao mesmo tempo.
Se não sê-lo, tê-lo ao menos , para que me obedecesse ou me escutasse e não ir tão rápido e devagar.
E se por fim nem tê-lo pudesse, que eu fosse dele então, para que me amasse e me cuidasse com carinho, para que me ensinasse o ritmo de sua musica cujo os passos nunca sei dançar.
 Já não sei dizer se é de fato amor ou uma mero vulto do que desejo que seja um dia.
 Se amo o real ou algo inventado na minha mente pelo pulsar de sentimentos que moldaram um ser perfeito.
 Se o amor foi composto pelo sonho de momentos futuros juntos baseados em pequenos dialogos esporadicos, beijos contados e alguns abraços.
Se amo... ou se talvez. Quem sabe o amor não passe de imaginação, onde o ser amado não é o que é e sim o que
 projetamos nele, o que desejamos que ele seja.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

O que me domina é o temor do reencontro.
 A angustia de não saber o  que cabe a nós, se houver tal pluralidade ainda, ou se houve.
 Temo o desconhecimento dos teus atos e dos meus, a diversidade de sentimentos que andarão de  mãos dadas em minha alma  para reagir  a cada ato.
 Temo amar demais bem como o avesso disso, por mim e por ti.

 Tanto tempo.. pode ser que o encaixe dos braços já não sejam os mesmos, que a sincronia dos lábios percam o compasso na dança da vida onde caminhamos até agora em estradas diferentes e casualmente nos cruzamos em esquinas. Desassossego e insonia prevêem  o encontro, que caminho em direção com escudos  dando um passo a frente e dois para trás.
 O tempo foge, flui, mesmo com a minha tentativa de girar ao contrario os ponteiros do relógio se não para parar o tempo mas para voltar a suavidade dos abraços compartidos de outrora.
 Não terei tempo para o presente se adiar tudo para o futuro. Não sei se terei futuro. Queria
 que compreendesse a minha urgência que quase se assemelha com aqueles que sabem  quantos dias lhe faltam para o fim... Preciso resolver tudo, rápido. Preciso sentir o instante agora, nada se compara a isso. Qualquer desejo de futuro não se assemelha ao presente e as sensações que ele trás.. e leva se não o desfrutarmos. É como desperdiçar o esforço do destino que me "presenteia"com oportunidades cruzando estradas diferentes .  Enquanto isso eu ali distraida com meus binóculos, procurando o caminho mais curto para chegar ao futuro.

Só não quero adiar nada. Perdoe o imediatismo.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Flagrei-me nesse sentimento depois de um abraço, um abraço que não queria desfazer-se.
Ignorei, não o batizei com nome algum, pois dizem que sentimentos sem nome são menos sentidos. E veio você num dia desses e chamou-o amor. E ele sentiu-se amor e me fez sentir também.
 Roubaram os olhos do amor enquanto você dormia,
pois se você não é mais do amor
os olhos dele não são mais seus....

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Quanto tempo é muito
 quando o tempo é pouco
Quanto o pouco é muito
 Quando se tem pouco tempo
Quanto é pouco
 Quando é muito
Quanto tempo é pouco
Não hesite amor...
Existe amor..
Não existe amor...
Exite amor...
Coração na mão... não na minha...
 e não mais  meu ...

domingo, 27 de novembro de 2011

Que me acorde com  um sorriso perdido entre o sol e lençois brancos de uma cama desarrumada... Prometo sorrir tanto que lerá bom dia entre meus dentes.Que me cante mesmo que desafinado a musica que mais gostar... Não se preocupe com graves ou agudos a entonação do amor fará de tudo que cantares para mim mais bonito.
Que me abrace demoradamente como quem não me via a meses... Vou retribuir apertando com a maior das minhas poucas forças esse abraço pra demonstrar meu sentimento.
Que me conte tuas historias, me mostre os porquês dos teus hematomas gravados na pele... Prometo não te esconder nem o mais feio dos meus.
Que perca um pouco do teu tempo fazendo nada ao meu lado... Terei em minha agenda diariamente esse mesmo tempo para ti, para fazermos do nada  tudo.

Que olhe para o infinito e sorria sozinho pensando em mim de vez em quando. Eu estarei lá perdida no infinito esperando por tí.
Considera de repente tudo banal demais para ser felicidade.
Tudo pouco  e sem sentido.
Quer algo muito maior... Quer só porque não tem, pela falta de alcance.
Rí do banal alheio, rí do riso por tão pouco deles, acha que teu riso vale mais
 que tua felicidade é muito melhor e será muito maior.
Quando chegar será, quando chegar, se chegar o fim da espera...

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

A tinta negra das canetas desenhada nos papeis em branco para demonstrar o luto que habitava o coração. Encontraria outra forma de demonstrar minha tristeza por tua ausência que não um luto, é pois esse o sentimento que submergi desde a tua partida... um vazio negro como a tinta que escrevo essa carta.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Esse amor morrer.
Vestirei um longo negro.
 Não haverá nada a recordar.
 O negro me cai bem
...talvez deve permanecer assim por um tempo.
O amor foi comprar cigarros e nunca mais voltou, não houve qualquer despedida disse-me que voltava logo. Virou a esquina. Como saberei quanto tempo demora para o logo passar...

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Sensações desagradaveis habitam o peito.
 Uma saudade constante e insistente de algo que se quer vivi
Um remorço pelo que não é culpa minha.
 E uma ansiedade por algo que não compete a mim decidir.
 Sensações desagradaveis habitam  o olhar que torna-se vazio pois  só pode ser preenchido por  algo que está   fora do alcance.
Olhar inundado. A saudade nada nos olhos de braçadas largas fazendo derramar agua para fora das bordas.
 Insensatez do coração,imaturo pela idade ou pela falta de experiencia
 que faz desejar com tanta força os laços que não podem se amarrar aos seus.
 O maior erro é crer que amor é como um investimento onde você deposita dedicação, beijos, abraços, palavras doces.. e espera q tudo isso renda e venha em dobro,
um lucro sentimental.
 Amor não é sentimento para se investir...é uma ONG e não uma multinacional.
amor é doação e as vezes quem recebe não é muito educado..
não espere troco, nem muito obrigado...

domingo, 30 de outubro de 2011

Peço para repetir, não muitas, apenas uma vez. Quero imprimir em minha mente cada detalhe. Refrescar as lembranças, renova-las, fazer do ano passado apenas um ontem... dos largos dias, apenas um.
 Pedir um conforto das lembranças, que voltem a ser leves, porque agora mais parecem pedras cada vez mais pesadas e dificeis de carregar
... quero transforma-las novamente em plumas, para sopra-las e rir de sua dança em meu ar.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Não precisa sofrer pra saber o que é melhor pra você ...
mas as vezes é mais facil
escolher o caminho mais dificil...

terça-feira, 25 de outubro de 2011

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

 Queria mesmo consultar as cartas de tarô.. Para  acreditar nas previsões no futuro que me são convenientes para acalmar a ânsia que aqui habita.
Quero só as partes boas, onde dizem que o amor está próximo, que te admira a distancia, que a felicidade se aproxima. Que fale um pouco  sobre invejosos para eu sentir que minha vida é boa para ser desejada por outros.
 Não me venha com essa de livre arbítrio. Vou acreditar nele também quando for conveniente, quando as cartas falarem que vou ser mal sucedida e que jamais serei feliz no amor. Vou rir e dizer que tudo não passa de uma farsa, que destino que nada, eu escolho a estrada, encontro o amor e defino o  futuro.
 O correto é não insistir, deixar respirar, inspirar, pensar melhor. Mas a ânsia é tanta que toda espera perece e é substituida pela sensação de  perca de tempo.
A construção da decisão demorar demais para quem espera.
Não se sabe se a inercia de quem espera influi para uma conclusão favorável.
Se a distancia  pode ser considerada como falta de interesse e se a insistência pode ser  sufocante e invasiva.
Busca-se um meio termo, hora se pende para o lado hora para o outro, as colheres de açúcar devem ser medidas, não se pode ser doce demais muito menos amargo.
Nesse meio tempo, procura-se ler todo e qualquer gesto... a expressão incógnita do olhar, o sorriso conveniente ou receptivo e se a visão dos atos não está sendo corrompida pelos sentimentos.. hora pelo amor, hora pela ansiedade.

Se o esperar da decisão deve ser  comodo  sentado num sofá buscando a melhor posição ou se não se deve parar e enquanto se espera se age em outra direção construindo um mundo onde aquela decisão não seja a pilastra principal que sustenta  o seu tudo.
 Perdeu a noção do tempo que estava ali. Nem queria saber.
 Hoje era o dia oficial sem relógio, o único compromisso marcado na agenda era consigo mesma. Escolher qual caneca da coleção tomaria seu café preto.
 Entre as colheradas de café e açúcar lebrava da sua infância , de servir café para o seu avô e no intervalo de cada gole divagava sobre como era importante para uma mulher saber fazer um bom café e definiu pelo sabor do café que ela já poderia se casar, no auge dos seus quatorze anos. Ela sorria e agradecia, mal sabia naquela idade que precisaria muito mais que um bom café para ter um bom relacionamento.  O seu avô também sabia mas esse não é o tipo de coisa que se diz a uma menina, uma coisa de cada vez, primeiro o café.
Sentou na mesa literalmente, com os pés na cadeira, lembrou-se da mãe que sempre raiava quando se sentava assim, agora já não tinha problema, morava sozinha, mas quase desistiu daquela posição só de lembrar os gritos da mãe quando a encontrava fazendo isso,sorriu,serviu-se na sua caneca preferida e segurou-a com as duas mãos na tentativa inútil de aquecer-se,enquanto bebia olhava pela janela o céu, ele estava com uma cor amarelada, pois chovia e fazia sol ao mesmo tempo.. era o casamento da raposa.  Nem lembrava quem lhe havia dito isso na infância mas sempre que isso acontecia era a primeira coisa que lhe vinha a mente. Certas coisas nunca saem da mente não importa mesmo quanto tempo passe,deveria ter alguma utilidade, alimentar a imaginação faz bem, todas as vezes de chuva e sol saia pelo jardim procurando raposas se casando, nem sabia como era uma raposa, mas sabia como era um casamento, seria fácil, mas nunca viu.
 O sol se pôs e a chuva adentrou a noite, o vento estava forte suas cortinas balançavam, entrava água no apartamento, algumas gotas chegavam até seu rosto. O café acabou. O frio aumentou. O céu escureceu, ela particularmente achava o céu mais bonito a noite, gostava do azul da beleza das nuvens brancas, mas gostava muito mais do mistério do céu negro e imaginar tudo que nele estava contido, as nuvens que ainda estavam lá só que agora invisíveis, as estrelas que formavam desenhos interessantes. Não sabia nada de astronomia, mas estava na sua lista de coisas para aprender antes de morrer. Como tantas outras coisas: Falar francês, dar a volta ao mundo, ter sucesso na carreira, tocar piano, violão. E quando era criança estava na lista de metas ler o dicionario inteiro, porque queria saber todas as palavras e como utiliza-las, riscou da lista quando chegou a letra O, achou suficiente, estava cansada de tantas palavras parou na maior palavra que tinha visto e na que achou mais difícil, otorrinolaringologista, demorou dias para aprender a falar corretamente e bem rápido e então quando a brincadeira era trava-línguas , e todos vinham com o tal " trés tigres comiam trigo..." ela dizia otorrinolaringologista e as crianças perdiam, ninguém conseguia falar e ela achava incrível, ensinou seu irmão também, ele deveria saber como falar a maior palavra de todas e o que ela significava.  Fechou a janela, o tapete estava úmido as cortinas também.
 Da sala escutou o celular tocar e pela musica, era ele. No mundo de hoje quando alguém é importante tem um toque no celular só para ele, ela escolheu a sua musica preferida porque ele também era o preferido. Mas por hoje odiava a musica tanto quanto ele. Não iria atender.
Seu estomago falou algo parecido com  estou com fome, lembrou que não havia comido nada o dia inteiro, mas o desejo de comer não estava nela, sempre comeu muito mais pelo  desejo que pela necessidade física de alimentar-se, para justificar isso estavam as calças apertadas do guarda-roupas.  A musica de novo e a dor de estomago, dessa vez de ansiedade, não atender, não atender, não atender....
 Caminhou pela sala em direção aos CD´s, procurou uma musica suave colocou para tocar. Mas aquilo não seria o suficiente para acalma-la, foi em direção ao quarto e na gaveta encontrou a carteira de cigarros abandonada junto ao esqueiro e deparou-se com o anel, que não queria ver, lembrou que aquela era a gaveta das coisas que queria abandonar, lembrou que disse que não ia abri-la por um bom tempo. Só hoje, era uma emergência  O anel brilhou no fundo da gaveta ela o pegou e levou-o até a sala, enquanto acendia o cigarro, olhava o anel e para a marca branca que ele havia deixado em sua mão direita. Assim era tão mais difícil  esquecer. Um turbilhão de lembranças vieram a sua mente num instante e a certeza de outrora fora imediatamente substituída pela duvida. Pensou em tantas outras coisas  antes para não voltar aquilo de novo.
Era ultimo cigarro desde os quatro anteriores. Porque era o ultimo dia ...

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

 A casa que sempre visitei para rir hoje visitei para chorar.
 O riso estava lá, ao redor de velas em uma bela roupa branca.
 O riso estava de olhos fechados e adormecido. Não pude acorda-lo, só pude lamentar
o seu sono com lagrimas que lavaram minha face nessa tarde.
Cada canto daquela casa me trazia recordações, histórias que não vivi mas que ele me contou e eu pude
de mãos dadas com o riso ir até lá ver e ser um pouco dela. Ele tinha esse dom.
 Ele andava cansado, adoentado mas se a pergunta era como ele estava ele sempre dizia que estava bem.
 É como o riso deve estar. Ele sabia ser o que era da melhor maneira.
Limpei a face e sorri discretamente porque ví que mesmo ali dormindo ele ainda ria, porque ele não era... ele é o riso.. e nunca deixará de ser, mesmo agora dormindo para sempre.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Quando amor fizer morada em seus olhos... Todo o conceito de beleza será mudado.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Teremos mais em comum que alguns filmes, musicas e livros
Teremos algo incomum.. chamado amor.

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Com quem você se confessa?
Há quem diga que são sinos, brilho nos olhos, um click, arritmia cardiaca.
Eu digo que é o cheiro. O cheiro do alguém que empreguina em você, q está em cada particula de ar, que grudou na roupa. O cheiro que não sai nem com todo o sabonete do mundo. O cheiro da felicidade, do instante, do amor... que se torna o cheiro da saudade quando vai para longe.
 O cheiro que faz rir  e lembrar dos momentos... é ele que acelera o pulso.
É o cheiro que faz você saber, num suspiro, que é ELE!

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

sinto os cacos no chão, vou pisando nos pedaços, pedaços de "eu". Ando mesmo em cacos, mil pedaços dele e me ferindo em mim mesma, comigo mesma. A estrutura não aguentou, trincaram algumas partes, anda sendo cada vez mais difícil blindar-se  de tudo, porque esse blindar também te protege da parte boa que há em tudo. Talvez o certo seja esse, trincar e quebrar de vez em quando e depois colar cada peça de volta no lugar.  E as cicatrizes depois serão historia e toda a dor será esquecida...

sábado, 24 de setembro de 2011

Creio que  a eternidade seja relativa no aspecto de sentir.
 Talvez o eterno seja um instante se o sentir for forte.
Ou talvez a eternidade nem exista e nem seja assim tão importante.
Pois se tratando de sentir o que importa é o instante tendo em vista a falta de eternidade do ser.
O que nos faz passageiros da  vida e nela.. tão distantes da eternidade e ao mesmo tempo tão alem dela.
Hora o eterno pode ser eterno para cada um em seu tempo, a minha, a sua ou a nossa eternidade.Feita de instantes, minutos ou horas, anos ou dias, o que seja, sendo eterno mesmo assim, na sua particularidade. Pois se passar da minha ou da nossa eternidade de que valerá se já não estaremos para senti-lo e sem nós jamais seria.
Você teme os começos
Eu.. os finais.
Você teme o frio na barriga.
Eu temo a dor da partida.
E ambos tememos.. o inesperado.
Nos encontraremos entre o começo do fim
e o fim do começo ...

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Por hora o tempo fugiu das minhas mãos.
 o desejo partiu junto com ele.
 Tudo aquilo que esperei sentir ficou guardado na caixa da ilusão e da saudade.
Fantasiei cada instante utopico do reencontro. Desenhei tudo em minha mente tomando ares de perfeição.
 Cada afago no cabelo, cada suspiro ao pé do ouvido. O tato e a presença trairam a ilusão. A realidade em pele desfez minha teoria. Não deixou de ser belo o reencontro. O coração acelerou e sorriu junto com os labios. Mas  a ansia do amor se foi com o vento, com o compasso do relógio. Em seu lugar, tristeza, decepção, por não amar mais, por querer mas já não tanto, nem tanto.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Encontre traças, e deixe o livro da historia aberto para que devorem cada centímetro das folhas.
 Dessa historia não quero vestígios, nem o prólogo de recordação,não quero recordações de um belo começo em versos. Perdão, talvez queira algo, o ultimo paragrafo, para todas as vezes que me perguntar poder  entender porque ...

sábado, 10 de setembro de 2011

Desconheco preces que nao sejam feitas olhando para o ceu, mesmo que seja de olhos fechados.Olhando pra imensidao azul que pode ser vista pelos olhos ou pela mente. A impressão que se tem é que essa é a unica forma de obter exito no pedido. E esse é o único sentido a satisfação do desejo, que é feito por misericórdia ou por crer que deveras exista algum merecimento através de bons comportamentos cotidianos, os bons dias que se dá aos desconhecidos  e as cestas básicas doadas a cada natal, que alguns acham glorioso e outros definem como não mais que a obrigação.
O que se pede.. quase sempre as mesmas coisas, mas tudo se resume em felicidade que  para cada um e alcançada de modo diferente, pelo menos e o que se crê, no auge da  ignorância humana,  tão tolos e inexperientes principalmente por acreditarem que realmente sabem o que querem, o que  exatamente é necessário para chegar a felicidade.
 Na imensidão do céu azul que  se observa, a cada prece se espera ansiosamente  a solução  de todos os males. E numa atitude covarde e comoda  o tal destino é responsabilizado pela derrota de algo que nem se quer foi batalhado.
faltou ser menos amor e mais racionalidade. Vez que esse amor não tem alimento,  nem ar para respirar.
 Faltou racionalidade em tudo, em todos os momentos, talvez não para sobreviver o amor , mas para somente sobreviver, eu mesma, sem dor. Faltaram tantas coisas no meio do caminho, principalmente você, a tal peça que que era para ser a principal, a tal metade. Vejo hoje que essa metade não será completa jamais, é demais, muita ambição, tantas metades não se completaram porque a minha  completaria, por isso  ela só se afasta e na minha inercia involuntária, paraliso, pois sou incapaz de fazê-la voltar para mim. 

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Mas com tanto porem , todavia, entretanto...
Pulsou igual, distante o seu e o meu.
Quantos destes existem entre nós? Quantos ainda haverão?
 Como se acrescenta um i no mas?
Porque ENTRE TANTOS encontrei você?
Porque você estava em Todas as Vias do meu ser?
Como se desfaz os porens?

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Se a unica maneira de manter você por perto for essa. Eu aceito essa saudade de estimação. Aceito cultivar recordações, sorrir sozinha, chorar também... Aceito a alegria, a dor da saudade ... o que vier.

domingo, 4 de setembro de 2011

Perdão por ter chegado tarde.. ou cedo demais.
Por não ter sabedoria para esperar.Por não insistir em amar.
Perdão pela fraqueza   e também pela franqueza , deveria ter guardado as impressões e as ansiedades
 só para mim.
Perdão pelo fim da esperança, por fechar as portas. Te conto que joguei a chave fora e que de agora em diante, já não pretendo abrir. Mas confesso que ainda espio pelas brechas para ver-te e saber quando terá coragem de partir.
Perdão por querer esquecer tudo que passou  nessa casa e nesse corpo.
Perdão por te expulsar porta a fora do lar do meu amor, faltam pedaços que aqui deixas-te e todos eles me causam dor.
Se tiver ainda direito a algo que venha do teu coração que seja o perdao que aqui te imploro
com tanta sofreguidão .

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Não acredito que tempo seja algo para ser perdido. Apesar de sempre perder chaves, anéis e brincos, o tempo, esse eu nunca perco. Ou melhor, ele não me perde. Eu o uso o gasto ou o que seja...  Talvez eu não o gaste e sim o contrario, até porque o tempo é sempre tempo, não importa quanto tempo passe e eu, já ando meia gasta não sei se pelo tempo ou se por mim mesma me consumindo em coisas que não me adiantam nada, muito menos o tempo. Essas coisas que independem do tempo e que não se vão com ele, se é que ele se vai, pois quem se vai sou eu, o tempo fica ou então vai e volta como um compasso musical embalando a nossa vida, sempre no ritmo...  e eu vou e já não volto mas  nunca deixo de ir.

Sempre vou! 
Parece que não há estrada reta
 para o amor
Não há porta aberta.
Posso entrar?


quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Quando as coisas deixam de ser.
Eram.
Como se nunca tivessem sido.


segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Guardo todas as cartas ... as que recebi e as que nao enviei. E se guardo é para lembrar que nem o amor e nem a dor são eternas.

domingo, 28 de agosto de 2011

semanal

Tua ausência é  domingo sem sol, com programação de TV ruim e sem missa pois de tanta saudade até a fé se perdeu.
Tua presença é sábado de sol e brisa, cerveja gelada e sorriso na cara e dançar sem parar pois de tanta alegria ate a timidez se perdeu.


sábado, 27 de agosto de 2011

Partiu, os dois em dois pedaços.
Partindo partiu o coração em dois os dois.
 O dele o dela.
Partir não é fácil se só se parte e quando se parte corações?
 pior ainda é o partir  quando partem os dois ou seria os três?
 O dela o dele ... e a partida em si. Pior é saber que não há cola, nem corda, nem fita, nem nó
que emende de volta a partida, alias, nenhuma delas.
Melhor não partir. E se partir que seja só. Sem partir ninguém ao meio, sem levar nenhum pedaço. E sem deixar muito menos.
 E que deixe em paz os corações.
 O dele  e o dela.
  a seiva  que percorre cada milímetro da árvore embotada de lembranças, suas folhas cada vez mais verdes e o tronco resistente impenetrável faz de cada lembrança intocável e pura, regada pelas lágrimas diárias. Assim a  árvore da saudade cresce.
E se para mais nada servir.. servirá para ser saudade.
Servida na cerimonia da saudade, em bandejas, as lembranças.


segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Sei que essa hora você está fumando o segundo ou terceiro cigarro... que está na janela, que cada trago acalma a ânsia do futuro incerto. 
Entre os tragos visito tua mente, aqueço teu coração bem mais que fogo do isqueiro que acendeu teu cigarro.
 Sabes que não é por mal algum que te visito, só busco meios de estar próxima,
 nem que seja entre as brancas nuvens de fumaça que preenchem o teu ar.



domingo, 21 de agosto de 2011

Futebolizando


Ja que o Brasil é o afamado país do futebol. Vamos “futebolizar” a nossa política em busca de uma maior dedicação por parte dos brazucas para que quiça em alguns anos possamos orgulhar-nos diante das vitorias alcançadas.
 Nós brasileiros somos os técnicos da seleção canarinho e os políticos são os jogadores os quais devemos escalar.
Primeiro passo para ser um bom treinador é entender bem do assunto. Pois para ter competência e cobrar resultados é necessário preparo estudo e dedicação.
 Encararemos uma longa partida de 4 anos e durante esse tempo se tem a função de fazer com que os jogadores  se empenhem em campo buscando bons resultados. Cada um destes jogadores tem um papel especifico para desempenhar em campo, mas estes sempre devem trabalhar em prol de um resultado coletivo, o conjunto harmônico entre defesa e ataque é essencial. É necessário atacar inovar fazer novas jogadas, mas não se pode deixar a defesa de lado, pois uma falha dela desestrutura todo o time.
 Cabe ao treinador conhecer as potencialidades de seus jogadores, cobrar resultados, instiga-los e inspira-los. Porque não existe vitoria individual quando se fala em  equipe, o técnico e cada jogador em campo é diretamente responsável pelo resultado final dessa partida que ao apito final pode render um belo troféu ou uma torcida decepcionada.

 A escolha de um time é tarefa árdua,haja  paciência para analisar a carreira de cada jogador, ver os clubes por onde passou cada um, as melhores jogadas, a atuação de cada um em campo diante da pressão da torcida e dos adversários. Mas deve-se saber que o cuidado e o tempo aplicado nessa etapa é decisivo no resultado final da partida, pois uma escolha errada pode fazer de tudo um fracasso com danos quase irreparáveis.
É importante valorizar o passe dos jogadores experientes, pois são de grande valia na orientação do time em busca da qualidade dos passes e do entrosamento da equipe, bem como dar chance aos iniciantes que tem muito gás para correr atrás de resultados com garra e ânsia por resultados.
 Não se deve esquecer do longo banco de reservas alem de tantos outros jogadores que se quer foram escalados, mas que estão ansiosos por uma pequena chance para mostrar o seu talento em campo caso algum desses jogadores escalados sejam suspensos por encontrarem substancias ilegais no seu exame antidoping .
 Um bom técnico deve ter sabedoria para entender que as vezes é necessário substituir, por mais que  a mudança lhe cause medo e a principio não demonstrem resultados.
 O jogo é longo e cansativo, mas a supervisão e a cobrança do técnico a cada passe é essencial. Não esqueça disso!   

ps: fugindo um pouco do romantismo comum de todos os posts

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

. Acreditei fortemente que não tínhamos tempo
Pensei que tudo era banal e corriqueiro.
Um almoço, um jantar, os jogos estúpidos de tabuleiro.
 E dessas pequenas coisas deixadas para trás, abriu-se no peito,
um vazio, imenso o bastante para caber você,
 mas ...
  o seu peito, fechou-se.
Já não havia espaço ... não para mim.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011


O frio na barriga tranformou-se numa dor de estomago por conta
de sentimentos que não conseguem ser digeridos.

sábado, 13 de agosto de 2011

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Construir sentimento com bases ilusórias. As vezes um pequeno sopro, faz da construção,pó, mas depois do sopro a poeira toma forma e volta ao mesmo lugar,tudo recomeça.  Queria fazer de tudo solido,  não para construir, para destruir de vez. 

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Se por acaso eu te encontrar.
Não que eu acredite em acasos.
 Mas se por acaso ele existir.
E fazer das estradas que vão para caminhos opostos
em algum ponto qualquer cruzarem-se. Se por acaso
 esse cruzar de estradas vire um nó,pedirei que jamais desate.
Pedirei que o acaso transforme-se em destino.
Não que eu acredite em destino...


quarta-feira, 27 de julho de 2011


Posso ter fotos tuas em papel para tocar-te de alguma forma. Posso fotografa-te em minha mente, guardar-te.

Para que seja meu ...

ao menos assim.

domingo, 24 de julho de 2011

 Voce sempre diz que sou doce.
Diz que minha voz  é suave.
Que meu olhar é brilhante.
Diz do meu sorriso largo.
Não sei se sou ou se tu assim me faz.
 Se sou ou se teus olhos que são doces
e adoçam tudo ao teu redor inclusive eu.

sábado, 23 de julho de 2011

Porque faz isso?Está indo pelo caminho errado.
Buscando estradas curtas e rapidas.
 Querendo o encaixe. O pedaço que falta.
Faltará tanto assim para encontrar o pedaço.
No caminho tanta banalidade.
Fogo no peito.
ArDOR.
Buscando sentir. Será que te tornas-te insensivel?
Ou talvez o que buscas sentir
 se quer exista...
E você se sente estranha, suja, errada.
 Você não cabe em si.
Está errado.
 Você .. o seu sentir... ou o caminho.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Entre o para sempre
 e o   nunca mais
Eu escolho o Talvez...
As pontas dos dedos se tocam...
se as mãos se agarrarão fortemente
ou se afastarão para não mais voltar.


O toque macio dos dedos emociona, provoca arrepio...
 E se perde a conciencia do tempo que ali mora
não se sabe se é o começo ou o fim do contato...
 o começo do fim...
quiçá  o fim do começo.
 Onde o toque dos dedos una as mãos e por fim o corpo inteiro. 

sexta-feira, 15 de julho de 2011

A distancia entre o desejo e o gesto.
A que percorro todos os dias, suando frio num pulsar acelerado.

domingo, 10 de julho de 2011

O cheiro de café invade o quarto. Custo abrir os olhos, me adaptar a claridade do ambiente. Tateio a cama buscando-te.  Levanto enrrolada nos lençóis. Caminho lentamente pelo quarto em busca das minhas roupas, não as encontro. Sigo em frente, abro a porta e caminho cegamente guiada pelo aroma que vem da cozinha. Você esta lá entretido, uma, duas, três colheres de açucar na panela de café. Doce como você.
Encostada na parede te observo em silencio, você sorri sozinho, sem porque algum, isso te faz ainda mais encantador. Cada sinal do seu rosto, a sua barba por fazer, o seu cabelo bagunçado, as covinhas, posso ver seus lábios se mexendo como se estivesse cantarolando ou simplesmente falando sozinho, como costuma fazer de vez em quando. Poderia passar horas te observando sem me cansar, a tua simples presença me faz feliz sem mais.
Algum tempo depois, você levanta os olhos e ao me ver, sorri ainda mais, com os lábios e com os olhos que brilhavam intensamente. Vem em minha direção e me abraça demoradamente,  inspira profundamente na minha nuca como se quisesse roubar todo o meu cheiro,como se tivessemos passado uma eternidade distante um do outro e pensando bem talvez fosse mesmo uma eternidade.
Não me diz uma palavra, apenas me observa enquanto afaga meus cabelos e me beija suavemente. Seu olhar me acanha pois me olha tão profundamente ao ponto de sentir que lê meus pensamentos e vê minha alma nua e indefesa.
O café estava pronto, sentamos um em frente ao outro. Nos servimos, saboreamos cada gole, nos olhamos, não conseguimos dizer nada, mas acredito que pensamos a mesma coisa, algo do genero enfim estamos juntos.
Era tudo tão feliz que não podia ser corrompido por palavras, sabemos disso, qualquer uma delas não seriam o suficiente para  representar o êxtase daquele instante o qual esperamos ansiosamente por uma e-t-e-r-n-i-d-a-d-e.
Mais café?

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Querer oculto
floresce na escuridão
Luta contra a consciência, 
a negação da razão que o condena constantemente.
A luz  nunca será acesa.

Permanecerá nublado

Querer amordaçado
Mesmo sufocado
Ainda respira...




.

terça-feira, 5 de julho de 2011

Tento guardar em minha mente cada palavra que saiu da tua boca, cada sorriso impresso em tua face.
Recordações, esse  intento inútil de voltar no tempo.
A dor da saudade que vem e vai do peito constantemente.
. Se não pode ser real, que  o seja ao menos em minha mente.

terça-feira, 28 de junho de 2011

entrelaço

 O abraço aconchegante, a respiração ventilando a nuca, o arrepio.
Palpitação impossível de disfarçar pela tamanha proximidade dos corpos.
O cheiro da pele impregnado, na roupa, no corpo, na alma. Aroma da minha saudade.
Olhos fechados, para que nada corrompa a pureza desse abraço, que não necessita ser visto.
Apenas sentido. 
O desejo real  é que dure eternamente o entrelaçar,  transforme-se em nó, para que jamais desate. Infelizmente não há tempo, os braços se separam, já é hora de ir. Seja pelo adiantar da hora ou pela ansia de fazer do abraço algo mais.
Em meio a despedida paira na mente  a vontade de pedir mais um, tão longo e aconchegante quanto o anterior. Mas a mesma mente se contem reforçada pela timidez e pelo medo de ultrapassar o limite imposto por ambos. Cumpra o trato deixe passar...

sexta-feira, 24 de junho de 2011



Moro no vagão da lembrança.
Bebo goles de saudade diarias.
No instante agora o nós está ausente. 

segunda-feira, 20 de junho de 2011


A saudade clichê  sempre bate no peito. 
Os pedaços de lembranças estão por todas as partes, ignoro-os.
Fotos, cartões, tudo, na caixa  no canto do armário.
...Quisera por meu coração também.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Você precisa desabafar, falar de si, das dores, decepções, ansiedades, medos. Precisa verter lágrimas, soluçar num choro desesperado ao ponto de embargar a voz e ter que respirar fundo para pronunciar a próxima frase. Precisa mais ainda de  um abraço apertado para sentir que não está sozinho, um afago nos cabelos, o colo aconchegante, um olhar compreensivo que diga em silencio que tudo vai passar.

Vai passar...

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Plantei em solo fértil, reguei com a mais pura água. A arvore cresceu floresceu, era a mais bela de toda a primavera. A admirava com paixão por todos os dias. Mas eis que chega o outono, as flores se foram ,as folhas murcharam, perderam a cor, caíram e o vento as levou. Senti-me impotente, corri desesperadamente atrás das folhas, mas o vento as levou alto e distante demais. Perdi a esperança, meu coração se encheu de dor e saudade. Mergulhada numa tristeza profunda, abandonei minha arvore, já não fui mais ao jardim, tudo para mim era outono, seco, marrom e sem vida como aquelas folhas que partiram. 
Um dia a brisa abriu a janela, meus olhos não puderam crer, era ela, a minha arvore, florida outra vez, mais bela que em minhas lembranças. O sorriso voltou a minha face. Todo a dedicação a arvore não tinha sido em vão, era apenas uma fase, faltou-me compreensão e paciência e por isso sofri tanto. Mas ela teve a sabedoria que eu não tive,aguardou-me e por mais que sentisse minha falta não deixou de crescer e passar por todas as fases que deveria passar.

domingo, 12 de junho de 2011


 Levaste tudo, as cores, os cheiros, os sabores, os sorrisos, os desejos...
Porque não levaste nos bolsos todas as tuas lembranças? Não as quero. Não quero lembrar-te.
Devolva-me o que é meu.
Não quero nada teu. Se nao vier imediatamente acompanhado de ti.

terça-feira, 7 de junho de 2011

prece

Que a alegria ao ver-te limite-se a um sorriso comedido e sutil.
Que os cumprimentos já não passem de apertos de mão, rápidos, para que não notes  a frieza e o transpirar excessivo de minhas mãos.
E quando os olhares se cruzarem que corram rapidamente em direções opostas, antes que possa ler os pensamentos refletidos em minhas pupilas.
Que meu coração não acelere tanto ao ponto de ruborizar meu rosto em tua presença.
Que teu aroma doce não me roube suspiros, e se vier a roubar que eu saiba conte-los e suspira-los distante de ti.
Que me brotem forças para não desejar teus lábios que outrora beijei com fervor.
E quando surgires repentinamente, que eu saiba disfarçar meus olhos inundados de emoção.

Que esse amar flua em meu corpo, saia pelos poros e evapore no ar, juntamente com as lembranças que já não posso guardar do amor que nunca pude ter.

domingo, 5 de junho de 2011

Olhos
 Entreolhando-se
Olhos brilhantes,
que refletem lembranças doces
Olhos sorridentes
 Cumplices de algo que jamais poderão contar...
Olhos que falam
O que a boca não deve falar
o que ninguem pode escutar...

domingo, 22 de maio de 2011

Dor invisivel, sem feridas aparentes, sem remedio que curasse.
Dor saudade.
Seria um Adeus?
Perdeu-se em seus pensamentos enquanto o barco sumia no horizonte.
A nau inflou as velas.Partiu.
No porto esta ela.
E em sua face lagrimas tão salgadas quanto o mar.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Queria que fosse mais
Mais que desejo latente e corporal.
Mais que pele, saliva, suspiros e suor.

Queria que fosse amor.
Amor de arritmia cardíaca.
Sorriso involuntário
E sonhos infinitos.

terça-feira, 3 de maio de 2011

desAMAR

Só se desama quando se ama outra vez, quando  o amor te direciona a um outro alguém
quando os pensamentos, os suspiros e os frios na barriga te remetem a um outro ser.
 Esse alguém  anterior que outrora parecia eterno, perfeito e insubstituivel, já não faz mais tanto sentido.
 Se desama e se ama sem perceber, não existe o momento exato de transição um pelo outro
ocorre tudo simultâneamente e quando se vê já se ama outra vez, sem nunca ter se quer um dia deixado de amar.
O outro habitante chega, abre as janelas do coração, acende as luzes e a lareira.  Os dias brilham, a brisa é diferente e o peito novamente se aquece. E por fim as lágrimas transformam-se em riso e a desilusão em fôlego e esperança de recomeçar.

domingo, 24 de abril de 2011

Venha sem freios, sem pudor
Entre... não peça licença nem se acanhe
meu coração sempre foi tua casa.

Venha para que eu te cuide
 te faça germinar,
para que enfim  cresça, se espalhe por todo  o lar...
Perfume e embeleze meus dias.

Venha preencher meu coração de calor
Minha face de sorrisos
Minha mente de ilusões.

Venha para que eu cante para ti as mais belas
canções inspiradas nas sensações
que me provocas com tua presença.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Fecho os olhos, te encontro em meus pensamentos. Me alimento de tuas saborosas lembranças, delas sobrevivo.
Te espero ,me agarrando ferozmente nas palavras em que me disseste naquela noite em que nos despedimos.
Aguardo noite após noite com o coração acelerado.
A tristeza que me domina por tua ausência, alivia-se pela certeza que tenho do teu retorno.
Eu sei que virá outra vez, que surgirá em uma noite qualquer, com as malas nas mãos e um sorriso no rosto. Que me abraçará demoradamente e entrará porta a dentro da minha casa e do meu coração para nunca mais partir.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Não sei bem dizer o que me move, o que me arrasta em direção a esse sentimento, sei que tento fugir, correr em outra direção me apegar a algo.. a alguém. Me entregar. Estou cansada de esconder o que sinto dentro do peito, cansada do querer e não poder. O meu sentimento é voraz. Sinto medo de algum dia não poder mais conte-lo. Tenho medo da explosão, o "bum" do amor pode causar danos, em nós dois...Pode soltar estilhaços, ferir  aos demais. Por isso devo partir para longe de ti, meu catalisador, antes que seja tarde.

Estou em ebulição.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Que seja forte, quente e brilhante como o sol em um dia de verão...

segunda-feira, 28 de março de 2011

Tão bom seria se as pessoas fossem simplesmente o que podemos ver ali.. ao alcance de nossos olhos..
Que os belos fossem belos com seus rostos corpos atos e sentimentos e os feios que totalmente feios fossem. Quanto trabalho nos seria poupado se tudo que esta por dentro pudesse ser visto por fora.

sábado, 19 de março de 2011

Por mais doloroso que seja,
as vezes é necessário desatar os laços 
e deixar-nos ir um do outro...

segunda-feira, 14 de março de 2011

Doa -se amor
 para quem quizer receber.
Doa-se dem bom grado
 com sorriso estampado na face.
 Doa-se amor com muito amor.
Dizem os mais experientes  que tudo que é dado
não é valorizado.Pois o que é de graça. NINGUEM QUER!
Por ser facil.
Porque não um amor facil ?
Porque não doa-lo?
Há quem diga que é melhor  vende-lo.
Mas se vende-lo... que preço coloco no amor?
O de uma fruta...porque amor é como alimento, essencial para
a vida e tal qual o alimento sem amor... jamais sobreviveremos.
Mas há quem diga que o amor não vale isso, pois é muito barato.
 E quando é barato demais. NINGUÉM QUER!
Pois bem, o amor por ser algo de suma importância, deve ser valorizado.
E por fim o vendo no valor de uma Ferrari, algo extremamente valioso,vigoroso
desejado, tal qual o amor.
Mas eis que me deparo com outro problema.  Tudo que é caro demais torna-se quase inalcansavel ou seja : quando é caro demais, todos querem mas NINGUÉM PODE COMPRA!
 Por tudo isso:

  Doa-se AMOR!
 te remete a algo melhor.
 te arrasta para o futuro.
 te prende ao passado.

te desespera
te faz sorrir
 te faz pensar

te paralisa
te dá medo
te desconcentra

te dá esperança
te alimenta
te faz sonhar

te da saudade
te arrepia
te faz suspirar

 O Que?

quarta-feira, 9 de março de 2011

O tempo tão rapido e tão lento ao mesmo tempo

O tempo..  tão covarde
nos fazendo perder na memoria momentos
adoraveis que juramos jamais esquecer.
Perdendo rostos, palavras, sorrisos.
 O tempo... tão bondoso
Aliviando as dores
 os desamores... os desatinos.
a saudade.
O tempo que nos trás sabedoria,
 paz.
 O tempo senhor nosso.
 O tempo que não passa e passa.
Passa por nós e sem perceber passamos por ele...
Olhos de Lua cheia
Sorriso ensolarado
Cabelos tão ondulados quanto o mar...
toda natural
tão pura quanto a agua do mais
caudaloso rio.

Era ela todas as estações ...
Primavera, Verão, Outono, Inverno.
Era
Sol e chuva
Frio e Calor
..Seus afagos eram como brisa numa tarde quente de verão;

Por isso, sua presença trazia paz
inspirava amor.

terça-feira, 8 de março de 2011

Caminho incerto
Bussolas, Mapas
Coração perdido
Olhar distante
Fuga...

Falta de ar
Indecisão constante
Mistura de sentimentos
Preciso ir

Porque partir?

Poderemos ficar?
permanecer assim
estaticos
esperando
 o amor
os sonhos
 O que vier
já nao quero ir

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Sim, algo de tudo aquilo foi sim para ti...
mas não TUDO...
 Sim fiz por ti
 Mas fiz  por mim.
 Pelo que sentia por estar contigo.
Não pela tua pessoa ou pela minha
 mas pelo que te tornaste junto comigo
 e pelo q me tornei junto a ti.
 Não tão somente por ti  ou por mim
 mas sim por nós.
Pelo ser uno que  nos transformávamos a cada encontro.
Pelo amor que exalava dessa junção corporal e espiritual.
Que  tornou-se perfume  dos meus dias.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Fugiremos, rapidamente, apenas com as roupas do corpo
sem mais pertences, objetos banais do nosso antigo cotidiano
Partiremos, lacrimejantes e sorridentes.. Sem olhar pra trás.
Sem magoas ou arrependimentos
 Corações pulsantes em sicronia perfeita
 Almas entrelaçadas. 
O laço se consolida com a fuga
Torna-se eterno.
  E enfim partiremos para o universo paralelo
que criamos somente para nós dois.

sábado, 19 de fevereiro de 2011

 Nos forçamos a racionalizar tudo e acabamos destroçando em mil pedaços a beleza sutil
dos sentimentos puros que habitam em nós.

A "criatura" domina o criador. As regras as quais criamos ditam
cada passo da nossa vida.

  Ignoramos sensações puras, instintivas que nos foram dadas 
 desde os primordios da humanidade,
para cumprir regras de uma sociedade moldada
e avessa a qualquer tipo de sentimento.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Energia pura..
fluidos invisíveis que passam de uma pessoa para outra
 energia que emana de cada ser em frequências diferentes.
As vezes, não sei se por sorte, acaso ou quem sabe destino
esses fluidos energéticos se encontram.. atingem a mesma vibração.
Dali surge uma conexão "magica", um laço eterno, indissolúvel.
Laço energético...
A deliciosa sensação da energia fluindo suavemente entre dois corpos
e se transformando em algo concreto.
A conexão ultrapassa a barreira e torna-se visível a olho nu.
Fluindo entre olhares,sorrisos e abraços calorosos.
A energia pura e pulsante sendo transferida de um para o outro.
 Sensações as quais faltam palavras suficientes para descrever,tamanha a
 euforia e prazer que se sente quando  acontece.
Trás a luz, pura e brilhante que ilumina e aquece a alma e tudo mais ao redor.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Não como pretendíamos
mas  nos encontramos.
 Não por meios comuns...
mas  nos encontramos.
Não na melhor das circunstancias
mas enfim nos encontramos.
 E por não termos outros meios encontramo-nos em
sorrisos, olhares,lembranças... suspiros reciprocos e distantes...
Por não haver outra maneira, dessas pequenas e singulares sensações sobrevivemos..
e assim.. mesmo sem entender ao certo como, alimentamos esse sentimento persistente que habita em nós.

domingo, 6 de fevereiro de 2011



Sabe aquele friozinho na barriga... Qual? - aquele que você sente
 na descida da montanha russa? -Então, se você sentir esse friozinho ai, quando um certo alguém te toca os lábios.. tenho que te contar um segredo,  você está apaixonado!
  Você prefere o carrocel? - Então você  quer segurança, frequência cardíaca controlada, girando e girando  naquele carrocel, bonitinho, simpático, mas absolutamente sem emoção.
 Não venha me dizer que tem medo de montanha russa... Te contarei um outro segredo, todo mundo tem  pelo menos um pouquinho de medo dela, nem que seja um medinho guardado lá no fundo da alma, mas isso não as impede de desfrutar a emoção que ela proporciona. 
Me desculpe a generalização mas quem gosta de carrocel, nunca esteve numa montanha russa.
 Quem prefere um relacionamento estável, tedioso e óbvio.. Nunca viveu uma paixão avassaladora!
E se nunca viveu foi por medo, do tal friozinho na barriga, da sensação de flutuar que a montanha russa do amor proporciona a qualquer um que tenha coragem suficiente de enfrenta-la e aproveitar as prazeirosas sensações que ela trás. Não é necessário soltar as mãos a primeira volta, se quiser , tenha prudência, feche os olhos de vez em quando, se agarre firme, até perder totalmente o medo, cada um  tem seu tempo pra isso. Não há porque se apressar, você pode dar tantas voltas quanto queira pois a montanha russa é toda sua é só abrir o coração e ver... Ela sempre esteve lá!

Quão turvos ficaram meus dias
O brilho dos meus olhos, estes já não sei onde os deixei, talvez nas tuas malas tenham caido, enquando dobrava as ultimas roupas.
Quao palido meu rosto ficou, desde então ausente de sorrisos e rubor que a tua presença me causava
 constantemente.
 Os dias são quase eternos sem você aqui.
 É impossivel descrever o que sinto desde que te fostes. 
O vazio torturante que tua ausencia me causou.
 Não sei  o que fazer com essa dor pulsante
Já não cabe em mim o desejo de ver-te novamente.
 Ter de volta a luz brilhante dos meus dias. 
Já não aguento mais tantos dias nublados e frios.
 Quero desesperadamente  o  brilho e o calor que a tua presença me trás.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

tanto querer


E de tanto te querer 
O querer cresceu
Tanto cresceu que tomou meu coração,
 tomou meus pensamentos, 
 me inundou.
E de tanto te querer
Te quis cada dia mais
Quis teus olhos
  teu sorriso
 o aconchego dos teus braços

 E de tanto te querer
 Esse tal querer já não coube em mim
Fugiu do meu controle, saiu pelo meus poros...
Espalhou-se no ar

E de tanto te querer
Me quis contigo
Em todos os lugares, em todos os momentos...

E de tanto te querer
 Só te quis...

Cada vez mais

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

 Ao  fechar os olhos vejo nitidamente o seu rosto  frente ao meu, tal qual a ultima vez que nos encontramos.   O seu sorriso iluminando aquela noite fria e sem lua. Os seus olhos brilhantes substituindo as estrelas ausentes no céu.
 Ao fechar os olhos mais que vê-lo, posso  sentir o seu cheiro, este que é só seu, forte, marcante e  tão doce  quanto você. Esse teu odor pulsante que me rouba suspiros tantos quantos os daquela noite linda que passamos juntos.
 Ao fechar os olhos sinto as minhas mãos ainda perdida na maciez de seus cabelos  entrelaçandos entre meus dedos.
 Ao fechar os olhos sinto o sabor que roubei dos lábios teus, me recordo com tal nitidez desses  beijos que até hoje  arrancam de mim sorrisos e arrepios constantes.
 Ao fechar os olhos posso ouvir sua voz, suave como seda escorrendo para dentro dos meus ouvidos, sussurrando palavras tão belas que jamais pensei ouvir.
 Ao fechar os olhos e te encontrar por alguns instantes em meus devaneios o meu maior desejo era permanecer eternamente ali perdida nas lembranças da tua sublime presença.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Ano NOVO vida VELHA


 Todo día primeiro de janeiro cá estamos nós fazendo infinitas promessas para o ano seguinte.
Estudar mais, trabalhar mais, comer menos...
Terminar com o namorado psicotico, mudar de trabalho, aprender a tocar violao, fugir para outro país, casar-se, ganhar na loteria, etc.

...  o classico ano novo, vida nova que é repetido ano após
 ano seja aqui no Brasil ou na China.


E ao fim do ano nos deparamos com a realidade que a tal "vida nova" nao aconteceu. Todo o gas do dia primeiro de janeiro influenciado pelas doses de alcool a mais se esvanesse com o passar dos dias. 
 Ansiamos por mudancas radicais em nossas vidas. Algo que transforme nossos dias em felicidade plena tal qual uma propaganda de margarina. Mas quase sempre a rotina nos arrasta para o caminho oposto, pela nossa mania inutil de inercia resistimos involuntariamente a essas mudancas e nos arrastamos mais 365 dias de nossas vidas sem que nada de relevante aconteca,e entao  a meia noite do dia 31 de dezembro renovamos as tais promessas com esperanca plena de ter  sucesso ENFIM!